quinta-feira, 22 de maio de 2014

San Gimignano

San Gimignano
As colinas dos arredores de Siena: beleza dificilmente superável! Foto de Diego Fornero

Na província noroeste da Siena, o centro histórico de San Gimignano é uma das áreas mais bonitas da Toscana.

A sua rede densa de torres, que no século XIII eram mais do que 70, atrai turistas do mundo inteiro. San Gimignano foi um feudo dos bispos de Volterra, e antes disso, foi uma área ocupada por etruscos e romanos. A dominação de Firenze nos permitiu que ela chegasse pouco danificada pelo tempo até nós com a sua aparência medieval, fato este que a transformou em parte do Patrimônio Mundial UNESCO em 1990.

Para uma excursão de um dia com guia em português em Siena e San Gimignano, escreva um email para patcarmobaltazar@gmail.com.

Ruas medievais de São Gimignano
Chegada no centro de San Gimignano; foto de Henrik Berger Jørgensen

No coração do centro temos outras torres, a Torre do Diabo e as duas torres dos Ardinghelli, famosas pela sua leve assimetria, apesar de serem construções gêmeas. O monumento mais importante do centro, no entanto, é a Collegiata, uma igreja românica do século XIII com obras de arte preciosas.

Duomo
Piazza Duomo - foto de gengish skan  

Por que construíram estas torres? Inicialmente serviam como moradia de famílias abastadas que não se sentiam mais seguras em habitar no campo. Os ambientes eram pequenos e não ocupavam a altura inteira da torre: no térreo existiam oficinas ou lojas, no 1º andar os quartos e em cima, a cozinha. A construção seguia o princípio básico de segurança, segundo o qual o ambiente onde se lida com o fogo, isto é, a cozinha, deveria ser no andar mais alto de modo que se acontecesse um incêndio, seria possível escapar.

Piazza dell eErbe
Piazza della Cisterna, foto de Conlawprof

Podemos realizar a visita ao longo da Via di San Matteo, para chegar à Igreja de Santo Agostinho. Este edifício românico e com elementos góticos, contém uma série de obras Arte, entre os quais podemos citar os afrescos da “Vida de Santo Agostinho”, de Benozzo Gozzoli (muito provavelmente discípulo do famoso Fra Angelico) e a “Coroação da Virgem”, realizada por Pollaiolo. Daqui, você pode voltar para a Porta San Giovanni pelo mesmo caminho, ou escolher entre a Via delle Romite ou a Via del Castello para chegar na Piazza della Cisterna.

Janela bífora, foto de Dorli Photography

O melhor lugar para se fotografar o as 15 torres está localizado a oeste do centro se chega subindo a Via Quercecchio até chegar na Rocha Montestaffoli onde sobraram poucos ruínas.

Uma única torre da muralha da cidade resistiu à ação do tempo, e de cima dela, você tem um panorama
extraordinário do centro histórico da cidade e suas torres.

Vista do alto, foto de gengish skan  

O melhor sorvete do mundo pode ser considerado o sorvete da sorveteria pluripremiada “Gelateria di Piazza”, na praça mesmo, fácil de encontrar: P.zza della Cisterna, 4. Não deixe de experimentar!

O percurso proposto por nós abrange a Praça da Cisterna, o Duomo,  a Igreja de Santo Agostinho e o Miradouro do forte. De brasileiros para brasileiros na Itália: reserve aqui a sua guia de turismo que fala português.

Outras cidades da Toscana:
Firenze: http://guiaderoma.blogspot.it/2012/10/centro-historico-de-firenze.html
Siena: http://guiaderoma.blogspot.it/2014/04/guia-de-siena-em-portugues.html
Volterra: http://guiaderoma.blogspot.it/2014/04/volterra.html

quinta-feira, 1 de maio de 2014

A Necrópole Etrusca de Cerveteri

Meus mais profundos agredecimentos ao prefeito Alessio Pascucci, ao Assessor Lorenzo Croci e à Agência de Comunicação Quinto Elemento, de Patrizia Notarnicola e Francesca Romana, que me convidaram para passar um dia inesquecível visitando a Necrópole e o Museu Etrusco de Cerveteri, com o fantástico, genial e perfeito guia Daniele.

Os etruscos: um povo que teve o seu apogeu durante o VI século a.C., quando Roma dava seus primeiros passos; um povo de comerciantes, navegadores e brilhantes artesãos, engenheiros e arquitetos que os historiadores pensaram que tivesse a sua origem na Ásia Menor, tão singular era a sua aparição na aurora da história da civilização da península itálica. Foram eles que deram o nome ao Mar "Tirreno", que na língua etrusca quer dizer "etrusco".

Necrópole de Cerveteri, passeando em português
Paisagem mediterrânea de sonho, na área arqueológica da Necrópole Etrusca de Cerveteri

Dito em modo muito concreto, enquanto os romanos não sabiam o que tinha a 25 km da cidade que haviam acabado de fundar, os etruscos comerciavam no Vale do Reno, importavam cerâmicas da Grécia e mantinham importantes contatos comerciais com Cartago - este povo representava uma potência do primeiro milênio antes de Cristo no Mediterrâneo.

Edifícios da necrópole etrusca de Cerveteri


Esta civilização ocupava o que é hoje o centro da Itália, Toscana, Umbria e norte do Lácio, com colônias na Emilia-Romagna.

Edifícios e ruas da Necrópole de Cerveteri
Tumba etrusca, Necrópole de Cerveteri

Eu, na frente da entrada de uma tumba da necrópole de Cerveteri
"Stenografando" as interessantíssimas informações que o nosso guia nos passou

Saindo viva da tumba da necrópole de Cerveteri
Explorando o fantástico interior das tumbas!

A cidade etrusca era planificada de cabo a rabo; nada era deixado ao acaso. Todas possuiam bastiões para se defender, ruas pavimentadas e sobretudo rede de esgoto! Aliás, foram os etruscos que "ensinaram" os romanos a realizar todo o tipo de obra de engenharia e arquitetura quando ocuparam o trono da recém-nascida Roma, com o rei Tarquinio Prisco (reinado: 616a.C. - 579 a.C.).

Asfodels, flores maravilhosas cobrem uma das tumbas na necrópole de Cerveteri
Paisagem linda e misteriosa, esta necrópole!

A famosa "toga" (vestido dos senadores e homens importantes) dos romanos era, originalmente, etrusca - até o nome "ROMA" pode ter a sua origem na palavra etrusca rumen, que significa "rio".

Tumba e Cipreste na Necrópole de Cerveteri
"Dromus", o corredor da entrada da tumba etrusca, com cipreste decorativo ao lado

Uma outra importante característica dos etruscos era a posição da mulher na sociedade: a mulher etrusca tinha um status parecido com o da mulher espartana, isto é, eram mais livres, estudavam, e participavam ativamente na sociedade.

Na cidade de Cerveteri, pode-se visitar a Necrópole Etrusca - Necropole della Banditaccia - para entrar em contato com esta maravilhosa cultura, que foi inicialmente dominada com a famosa tomada de Veio pelos romanos de Furio Camillo, em 396 a.C..

No interior da Necrópole de Cerveteri
Eu, com meu grupo durante o Press Tour pela necrópole, super bem organizado pelo Quinto Elemento, que faz a comunicação da cidade de Cerveteri. 

A necrópole de Cerveteri fica apenas a 45 minutos de Roma e hoje em dia é um lugar maravilhoso para se aprender sobre a cultura etrusca. No centro da cidadezinha tem o Museu Etrusco, que aconselhamos visitar depois da excursão à necrópole.

A tumba colorida, chamada "Dos Relevos", a mais importante de Cerveteri

A discretíssima entrada de uma das tumbas mais bonitas da necrópole, a Tumba dos Relevos (impossível de fotografar seu interior, pois tem um vidro para proteger a sua conservação), aqui uma foto, só para não dizer que não tentei!!!

Interior da "Tumba dos Relevos"
Tumba dos Relevos, Necrópole de Cerveteri

A jovem, moderna e inteligente junta do atual prefeito Alessio Pascucci e de seu braço direito, o acessor Lorenzo Croci, está introduzindo novidades importantes durante o ano de 2014, que comemora o retorno de um importantíssimo vaso etrusco que foi roubado e vendido a um museu no exterior, mas graças a um pequeno fragmento que atesta inequivocavelmente a sua origem na cidade de Cerveteri, está "voltando" pra casa - estamos falando da famosa Cratera de Eufronio - e o 10º aniversário da Necrópole de Cerveteri na lista de patrimônios UNESCO.

Projeções didáticas no interior de tumba na Necrópole de Cerveteri
A grande novidade: projeções que nos ajudam a imaginar como era a decoração da tumba (os objetos hoje se encontram no Museu Etrusco de Cerveteri, por óbvias questões de conservação)

Projeção didática no interior da tumba na necrópole de Cerveteri
Mini-espetáculo interativo: projeção nas paredes do interior da tumba para ajudar a imaginação retornar a mais de 2.500 anos atrás!

Uma "panela" etrusca, no Museo Arqueológico de Cerveteri
Museu Etrusco de Cerveteri, visita obrigatória para quem passa pela região!

Fantástico Vaso Etrusco
Museu Etrusco de Cerveteri

Maravilhosos vasos etruscos, Museu Arqueológico de Cerveteri
Museu Etrusco de Cerveteri

Muito mais do que valer a pena visitar a necrópole de Cerveteri, é um verdadeiro must realizar esta excursão, além de experimentar as maravilhas da enogastronomia típicas desta zona, como os vinhos da Vinícola Onorati (Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Chardonnay, Vermentino, Duca di Ceri Riserva, Duca di Ceri Rosso, Duca di Ceri Bianco, Muggiasco Novello, além do azeite da zona, "Olio Extravergine d'Oliva") - veja endereço da vinícola no final deste post.

Vinhos da região; uva antiga utilizada pelos etruscos"
Os maravilhosos vinhos da região!

Meus rabiscos durante ao Press Tour em Cerveteri
Lugar de grande inspiração para quem gosta de desenhar!

Fizeram este click enquanto desenhava no Museu Etrusco de Cerveteri
"Stenografando", desenhando e fotografando - Cerveteri é uma paixão!!!

Para passeios com guia em português, escreva para patcarmobaltazar@gmail.com.


Eu e meu guia de Cerveteri!
Amei o nosso guia, Daniele, Doutor em Arqueologia, além de ter nascido nesta zona!

Endereços e links relativos aos post sobre a Necrópole de Cerveteri:


Necrópole da Banditaccia
Endereço: Piazza Mario Moretti, 00052 Cerveteri - Cap. 00053 Roma
Infos: (+39) 06.99552637
Horário de abertura: 8,30-18,30 (de 3a a Domingo).
Fechado: Segundas-feiras, 1º Janeiro e 25 Dezembro.

Preços dos ingressos: inteiro € 6,00, meio € 3,00; combinado inteiro (necropoli E museo) € 8,00, combinado meio (necropoli E museo) € 4,00.

Serviços locais: livraria, cafeteria, lojinha; parcial acesso aos cadeirantes

Vinícola de Cerveteri (Roma):

Azienda Vitivinicola Onorati
Via Pianceresi, 6 - Ceri (Cerveteri) - Roma - Tel.: 0039 06 99 20 7012
http://www.vinionorati.it/it/home.aspx - info[at]vinionorati.it

Uma outra sugestão vai para os tantos viajantes que têm feito o percurso do Lácio à Toscana, ou vice-versa, é de parar para dormir no maravilhoso agriturismo:

Casale Sasso - bed&breakfast - do Senhor Ubaldo Sforzini
Loc. Due Casette - Via Monte Li Pozzi, 17 - Tel. (cel.): 0039 348 284 98 09
http://www.casalesasso.com/language/en/

Prefeito e Acessor no meio; blogueiros, jornalistas e documentaristas convidados ao Press Tour de Cerveteri, organizado pelo Quinto Elemento

Para quem não conseguir ir à Cerveteri, aqui o endereço do Museu Etrusco de Villa Giulia, com uma escelente coleção:
Museu Etrusco de Villa Giulia
Piazzale di Villa Giulia, 9 
00196 Roma, Italia 
tel. (+39) 06 3226571 e fax (+39) 06 3202010
E-mail: sba-em@beniculturali.it

Preço do ingresso: intero € 8,00, reduzido € 4,00


Neste museu encontra-se uma versão do famoso Fígado de Piacenza, fotografado aqui embaixo:


Fígado de Piacenza,  126 x 76 x 60 mm, Museu Etrusco de Villa Giulia

De brasileiros para brasileiros na Itália: reserve aqui a sua guia de turismo que fala português.

Volterra

Bastiões e torres de Volterra, vista de fora dos muros, foto maravilhosa de Francesco Sgroi

Isolada, cercada por uma paisagem de gramados e riachos, colinas e vales, Volterra tem um charme muito especial.

Foto de Hellebadius

Deve ser dito que não é exatamente à mão, e que antes de se deixar conquistar, se faz de difícil. Mas basta chegar ao topo de um morro, em cima de um rochedo que se ergue no verde e lançar os olhos em uma direção qualquer para se apaixonar e experimentar a sensação de abraçar o mundo inteiro com um único olhar. Como revelado pelo seu nome, a cidade foi fundada no período etrusco e era um centro importante da Confederação Etrusca. Tinha mineiras de cobre e prata, uma agricultura altamente desenvolvida e o Rio Cecina, que corre ali pertinho, facilitava o acesso ao mar para o comércio. A partir do IV século, Volterra também teve que se submeter à nova estrela do Mediterrâneo, Roma, até que no séc. III, entrou definitivamente na Confederação Itálica com o nome de Volaterrae.

Foto de thaiz_mm

Hoje a atmosfera da cidade é medieval, e já começa nos possantes muros que abraçam o núcleo urbano. Conhecida pela arte da manufatura do alabastro e pela sua gastronomia, a cidade dentro dos muros mantém ainda hoje uma pureza original.

Restos do teatro antigo, foto de peuplier

As muralhas que datam do século XIII, são o resultado do crescimento que começou por volta do ano mil, quando as casas começaram a se reunir em torno da antiga Igreja, a Catedral de Santa Maria. Próximo à ela
já existia então o Pratus Episcopatus, que hoje chamamos de Praça dei Priori; neste mesmo período outros edifícios começaram a ser erguidos também fora da estrutura murária, como a vila de Santa Maria, que corresponde hoje à Via Ricciarelli, e a vila de Abade, que mais tarde se tornou Via Sarti.

Gerânios florescendo na janela, tipico das cidades italianas, foto de Alessandra Elle

Ruelas de Volterra, foto de  jmenard48

Aos lados da Piazza dei Priori existe a chamada Incrociata, um grupo de torres de proporções gigantescas que testemunham a necessidade de outrora de fortalecer as defesas ao leste, oeste e norte. Nesta mesma praça, temos o Palazzo dei Priori (séc. XIII), colado à abside da Catedral.

Catedral, foto de Gabriele Cantini
 Apesar da localização isolada e la natureza tranquila, Volterra oferece o ano todo uma grande variedade de eventos culturais e tradicionais. Durante as duas últimas semanas de julho, por exemplo, a vila é o cenário de Volterra Teatro, evento originalmente teatral que posteriormente se transformou em um evento também dedicado à música, dança, poesia e às artes plásticas.

Praça, com o Banco de Volterra, foto de Gabriele Cantini

Nas primeiras semanas de agosto tem o Volterra Jazz Festival, e no final do mês (o terceiro e quarto domingos), acontece a celebração medieval da reencenação (desde 1406); no primeiro domingo de setembro o Astiludio se repete todos os anos, um torneio entre diversos grupos de cidades italianas em costume medieval.

Volterranos em custo em festa medieval, foto de Michele De Nichilo

De brasileiros para brasileiros na Itália: reserve aqui a sua guia de turismo que fala português.

Para uma guia que fale português em Firenze, Siena, Lucca ou Pisa, escreva um email para patcarmobaltazar@gmail.com.

Outras cidades da Toscana:
Firenze: http://guiaderoma.blogspot.it/2012/10/centro-historico-de-firenze.html
Siena: http://guiaderoma.blogspot.it/2014/04/guia-de-siena-em-portugues.html
San Gimignano: http://guiaderoma.blogspot.it/2014/05/san-gimignano.html