sábado, 6 de agosto de 2016

Santo de casa não faz milagre - Joseph Beuys em Bolognano

Hoje fiz uma excursão pessoal bem atípica para como eu penso o turismo. Fui vistar um lugar a 175km de distância de Roma e voltei - ideal teria sido passar o fim de semana lá, mas não consegui e sei que vou voltar! Fiz um bate-e-volta a partir de Roma à Bolognano. Ora, e o que tem em Bolognano, cidade mais que desconhecida?!

Joseph Beuys em Bolognano

Em 1972 em Bolognano, a baronesa Lucrécia de Domizio iniciou uma colaboração com um dos maiores artistas do século XX, o alemão do vale do Reno, Joseph Beuys. E quando a "minha Alemanha" encontra a "minha Itália" estou pronta a fazer loucuras. Embaixo de uma temperatura de 36°C aproveitei a carona dos caríssimos amigos artistas e ativistas Rosa Jijón e Francesco Martone - http://rosajijon.blogspot.it/e https://artsforthecommons.wordpress.com/ - para esta viagem com sabor de pelegrinagem na região do Abruzzo.

Joseph Beuys em Bolognano


Saída marcada para às 09h, chegada prevista para às 11h - entre uma pausa, um café e uma conversa, chegamos famintos do típico spaghetti alla chitarra com molho de tomate e um bom Montepulciano d'Abruzzo em uma vinícola, para depois seguir ao centro e dizer um "oi" ao fiel escudeiro da baronesa, Lino, que nos tinha dito que seria o nosso guia durante o dia.

Spaghetti alla chitarra, típico desta região

Mas antes de ver a nossa atração principal... nosso amigo Francesco estava em fibrilação por ser descendente dos nobres Genova Di Salle, que possuem um castelo do XII século aqui pertinho de Bolognano. Não deu outra, fomos conferir castelo medieval e burgo antes de mergulhar na arte conceitual do XX século!

Castelo Medieval do XII século da família Genova Di Salle

Achei a estrutura incrível, com estas pedras calcáreas enormes e as típicas paredes mais largas na base para a defesa do castelo ou burgo.


A artista e ativista Rosa Jijon

O que aconteceu no longínquo 1972? Um personagem ainda muito controverso no panorama da arte internacional, Joseph Beuys, foi à Nápoles fazer uma exposição na famosa galeria de Lucio Amelio. Lá, ele conheceu a baronesa, que por sua vez o convidou à Bolognano, onde possuía um palácio nobre e várias outras propriedades no centro desta cidadezinha ligada ao Monastério de São Clemente e fundada no ano 1000.

Fotografia retroiluminada de Joseph Beuys em Bolognano

Esta colaboração vai se extender até dois anos antes da morte prematura do grande artista, em 1986, que concebeu o termo "SOZIALE PLASTIK", "escultura social", no qual afirma que a sociedade é a matéria prima que o artista deve modelar e nutrir, de modo que cada indivíduo-artista ("JEDER MENSCH IST EIN KÜNSTLER") possa dar a sua própria contrubuição creativa ("KUNST=KAPITAL"), única e genuína ao tecido no qual vivemos - resumo bem resumido, se quiserem aprofundar o assunto, estamos aqui!


Praça joseph Beuys e homenagem aos meus professores com o cartao de estudante da FIU Hamburgo

Eu com a minha bíblia, o "Soziale Plastik", da editora alemã do Rappman

Do alto do "teatro" da Praça Joseph Beuys

Vetrines da Praça Joseph Beuys, com o azeite

Os artistas e ativistas Francesco Martone e Rosa Jijon em Bolognano, Praça Joseph Beuys

Os conceitos citados são uma filosofia de arte e de vida desenvolvida ao longo da complicada e quase mítica vida deste artista, que nasceu e cresceu na Alemanha Ocidental (Krefeld-Kleve-Düsseldorf), profundamente enraizada  na maciça bagagem cultural que este país oferece (Goethe, Hölderlin, Novalis, mitologia nórdica), mas também muito na Antroposofia de Rudolph Steiner.

Instalaçao na frente da Casa do Curador, Bolognano


Christina Heger, do Progetto Esthia em Bolognano, Casa Azul

Christina Heger, aqui na frente da casa azul, é a sócia fundadora do Progetto Esthia http://www.esthia.net/ e a pessoa que me convidou a co-fundar o progeto em 2007; ela também esteve nesta viagem. O Progetto Esthia está cem por centro dentro do pensamento beusyano com o objetivo de promover a arte feminina com "A" maiúscola e a troca de experiências entre artistas, curadores e apaixonados por Arte.

Visitar Bolognano hoje significa viver a experiência incrível de ver o trabalho de Beuys fora do cenário artístico stricto sensu sobre o qual suas idéias revolucionárias encontraram terreno fértil e sobre o qual puderam crescer e se desenvolver em uma urbanística que abraça hoje três casas que hospedam artistas, instalações e vitrines com trabalhos de artistas escolhidos pela baronesa para exposiçãoes permanentes, espalhadas pelo centro histórico; a praça-teatro dedicada a Beuys foi inaugurada em 1999 e concebida segundo a filosofia do artista e sua intensa pesquisa sobre um conceito ampliado de Arte ("ERWEITETER KUNSTBEGRIFF") e ser-humano; o bosque "Paraíso", um projeto de plantação de 7000 árvores em via de extinção e esculturas; o hipogeu de 800m² com obras de Beuys.

Incrível o fato deste projeto, no final das contas, ter sido realizado em uma cidade da Itália, e não da própria Alemanha. Só esta questão já dava mais uma tese de doutorado.

Passear por Bolognano é passear por uma cidade onde a arte convida constantemente à reflexão de perguntas existenciais, proporções e beleza; a inspiração feita experiência para a concepção de novos modos de estar no mundo.

Para o seu roteiro personalizado na Itália com guia em português não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.

Bolognano (PE), centro histórico
Plantação Paraiso, Via Madonna del Monte, 2 - visitável exclusivamente com prévio acordo com a baronesa - contato a ser publicado quando obtiver a autorização

Nenhum comentário:

Postar um comentário