segunda-feira, 18 de abril de 2016

Arredores de Roma: Città Ducale

E o que faz uma pessoa que trabalha com o turismo quando tem um fim de semana livre, excepcionalmente?

Naturalmente, turismo! Não escolhemos dia nem hora, é quando temos um bater de asas de borboleta para dar uma volta antes de voltar à grande responsabilidade que é planejar e cuidar das tuas férias, para que tudo seja como num sonho, que escapamos.

Cittàducale, centro histórico

A caríssima amiga Elizabeth Frolet me convidou para ir à sua casa na Città Ducale e fazer um passeio pelas “Quatro Águas”, ali nos arredores. Esta zona é cheia de fontes de água, águas para beber, águas para curar, águas para nadar, e naturalmente com muito prazer seguimos o roteiro da nossa amiga, que guiava com grande intimidade nas estradinhas cheias de curvas e bifurcações, pois ela estava “em casa”.
 
Città Ducale, cidadezinha medieval lindinha e pequenininha foi um ótimo começo. A fachada românica da igreja me deu mais esperanças do que fatos concretos sobre o seu interior,mas as ruazinhas até à antiga torre foram uma verdadeira viagem no tempo. No século XX iniciaram as “descobertas” dos materiais medievais e antigos nas construções, atrás do reboque, e muitas cidadezinhas têm, então, colunas medievais, peças de sarcófagos pagãos nas suas “paredes”. E assim é uma das ruas principais de Città Ducale. Adorei!

passeando pela Cittàducale

Depois de um bom café na praça e de uma conversa de bar, saímos para o passeio. A primeira parada foi muito emocionante, pois o lugar, uma igreja abandonada e implodida pela força de correntes subterrâneas tem uma atmosfera estranhíssima, de beleza romântica-goethiana e foi cenário de filme de Tarkovskij (“Nostalgia”); ali perto, bebi água da fonte, mas a fonte era frizzante, isto é, com gás, coisa mais rara!

Igreja implodida com riacho em Cittaducale

E assim foram-se duas águas. A terceira era sulfúrica, com uma cor surreal, água mágica que cura. Infelizmente não podemos nadar, pois a quantidade de enxofre é tão alta que pode ser letal. Existem estruturas onde entrar na água é permitido, aliás, é o grande barato. Depois destas emoções caiu bem o almoço a base de pasta e vinho, num lugar que a Elizabeth frequenta há muito tempo. O vinho ignorante servido na jarra nos ajudou mais ainda a nos esquentar e curtir este dia que estava ainda começando!

Comida do campo nos arredores de Roma: Cittaducale


Na quarta água estávamos num grande lago, que Elizabeth disse ter 90m de profundidade e onde ela nada no verão. A cor do lago era linda, apesar do chuvisco que começava a cair e movimentar a superfície-espelho do lago.

Cittaducale, lago em região termal

Desde à ida à Città Ducale, Elizabeth falava neste castelo “tipo do Marques de Sade”, que eventualmente passaríamos no nosso retorno. Depois de muitas curvas e muitos bosques de castanhas, eis que numa descida, também em curva, vemos aparecer a ponta das torres, as pedras características de uma massiça construção medieval. In-crí-vel. Aqui no Lácio não é comum este tipo de construção, e de fato, não estávamos no Lácio, mas em Rieti – mas é tão pertinho de casa, que parece que estamos ali na esquina, a apenas 80km de Roma

Castelo Orsini, Cittaducale

Infelizmente o castelo, depois de um restauro que durou quase 20 anos, estava e não estava aberto ao público. O que fazer? Daquelas coisas de sorte de viajante experiente, conseguimos achar o guardião do castelo, que era muito, mas muito mais do que um simples guardião: Lorenzo, que nasceu na Sabina (como é chamada esta zona) escreveu uma guia sobre esta antiga região até o período romano, junto com arqueólogos da Universidade La Sapienza. Além de conhecer a zona como a palma da sua mão, tinha um olha híper-treinado sobre construções desde as antigas necrópoles sabinas até às construções medievais e sabia nos indicar e traduzir em palavras, com seu vocabulário técnico fantástico, tudo sobre o castelo, desde a pavimentação dos estábulos dos cavalos, passando pela artilharia, simbologia dos brasões e criação de pombos-correios, até às cortinas de tijolos da Baixa e da Alta Idade Média. 

Interior do castelo Medieval dos arredores de Roma

O quarto da marquesa; Castelo Medieval Orsini


A excursão no interior do castelo medieval foi completa, isto é, quando experts fazem uma visita a um monumento que viveu várias fases de construção, é importante contextualizar historicamente o monumento nas suas diferentes fases, além de descorrer sobre o próprio restauro – isso é coisa pra gente maluca e apaixonada como eu! Puts, que dia maravilhoso!

Por do sol nos arredores de Roma, Cittaducale

Tive um dia tão intenso e tão lindo, que só podia acabar com um por do sol nas colinas da Sabina que pacientemente tentavam me explicar o por quê do rei Numa Pompilio ter levado o culto de Vesta em Roma

Mas essa é outra história que vai ser contada quando vocês estiverem com a gente em Roma!
Garanta a sua viagem na Itália com guia em português particular da mais alta qualidade; não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário