sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Pompei

Quanto somos curiosos para saber exatamente como viviam os homens na antiguidade?

Muitas vezes eu imagino como gostaria de voltar no tempo e ver Roma no ápice do seu desenvolvimento, com um milhão de habitantes e passear no Forum Romanum, partecipar da confusão do centro da maior cidade do mundo antigo, com seus trocadores de moedas, banqueiros, ver a imponente caminhada das sacerdotesas Vestais, que tinham o poder de dar a graça aos prisioneiros e salvá-los de uma condenação à morte!

O que dizer de entrar numa sessão da antiga Curia e ver Cícero discursar, com seu fiel assistente tomando notas de suas palavras, o Stenio (veja mais detalhes sobre ele na Wikipedia), que inventou a escrita estenográfica?

Pompéia com guia em português é outra coisa!

O "prato cheio" para os arqueólogos e curiosos como eu é Pompéia (e Herculano), que no dia 24 de Agosto de 79 d.C. foi congelada, ou melhor dizendo, "empedrada" no tempo, com a explosão do vulcão Vesúvio, que durou três dias. Lá podemos observar uma cidade e seus habitantes do I século d.C..

A área arqueológica possui uma extensão de 66 hectares, onde 50 estão abertos ao público.

RESERVE A SUA VISITA GUIADA EM PORTUGUÊS NO SíTIO ARQUEOLÓGICO! Para orçamentos, escreva um email atravèes da página http://www.guiabrasileiraemroma.com.br/#!contato/c1lmm

Pompéia

Ex-colonia grega, esta cidade teve seu dramático fim sob o Imperador Tito.
A cidadezinha vivia de comércio, estava crescendo mas ainda não contava como uma das principais cidades romanas... por isso nunca teria entrado para a história se tivesse encontrado um fim menos cinematográfico.

O guia contextualiza a cidade antiga de Pompéia e nos faz reviver momentos 
de vida quotidiana da cidade destruida no I séc d.C.

Aqui estamos na frente de uma antiga padaria!

No ano de 63 d.C., o Imperador Nero cantava em um teatro de Nápoli quando houve um grande tremor da terra. Este era o sinal que depois de séculos em dormência, o perigoso vulcão estava lentamente acordando. A terra tremeu naquela zona com alguma regularidade nos próximos 17 anos...

Antes do fatídico dia que exterminou Pompéia, vinhedos cobriam os pés do Vesúvio, seus bosques eram cheios de animais selvagens que os pompeianos amavam caçar para preparar as mais deliciosas receitas que hoje são parte da cultura italiana. Pompéia era um grande produtor de um molho típico feito com peixe, chamado "garum" (ou "liquamen" em Roma Capital).

O centro da vida pompeiana era o Forum: um espaço retangular de 38 por 142 metros, com filas duplas de colunas no seu perímetro, adornado com estátuas de bronze e mármore: lá se concentravam os edifícios públicos e o comércio.

Entendendo o Forum de Pompéia com o guia que fala português; 
assim fica tudo mais claro e legível!

A agricultura de Pompéia era farta: verduras, vinhedos e oliveiras prosperavam, assim como a produçao de mel e da espelta (ou trigo vermelho), um grão duro do qual a colheita acontecia 2 vezes por ano!

Rua de Pompéia, foto de Michael 27

No século XVIII começaram as escavações na cidade e não poucas foram as surpresas: sobre uma mesa, a oferta de ovos, peixe e nozes de um grupo de sacerdotisas da deusa Isis e seus corpos pesados e parados no tempo, lutando contra a lava para se levantar e salvar o seu templo; uma família inteira encontra a morte ao celebrar o funeral de um parente, presos em uma sala pela massiça quantidade de lava que bloqueava a porta; ânforas e copos sobre a estante de uma "taverna" ao lado de uma caixinha com trocos no balcão; um cachorro tenta desesperadamente se liberar da corrente que o prendia, impedindo-o de seguir o seu instinto e fugir do perigo mortal que implacavelmente se aproximava; na caserma dos gladiadores, no interior do anfiteatro, dois presos morrem sufocados e na cela ao lado o uma senhora da alta classe pompeiana (status quo visível através das suas muitas jóias) encontra o mesmo fim; uma mãe que amamenta um recém-nascido e duas crianças tentam se proteger na barra da sua saia - cenas cristalizadas no tempo e visíveis ainda hoje na área arqueológica visitável de Pompéia.

Cenas do desespero de um cidadão do ano 79 d.C. 
que fazem o nosso coração quase parar! 

Até os animais domésticos  sofreram: o famoso cachorro.


O nosso tour explica a técnica com a qual
os arqueólogos foram capazes de recuperar estas 
imgens impressionantes do passado!

Fascinante seguir o percurso com o guia, 
que durante a caminhada desvenda mistérios da cidade antiga!

Emocionante ver os antigos tubos de água da cidade.

Os arqueólogos notaram que em muitos casos, pessoas foram petrificadas nas camadas superiores de material lávico. Isso os levou a pensar que a "trégua dada pelo vulcão" entre a caída de pedras e a enxurrada de lava, fez com que algumas pessoas voltassem à cidade para recuperar alguma coisa que tinham deixado para trás. E esse gesto foi fatal.

Afresco em parede de Pompéia, foto de Michael 27

No momento da tragédia, 20.000 pessoas viviam na cidade.

Pompéia também oferecia aos seus cidadãos termas, salões para ginástica, o Teatro Grande (200 - 150 a.C), que tinha capacidade para 5000 expectadores, do qual hoje restou a cavea e alguns nichos e edicolas - aqui eram representados espetáculos tradicionais, como comédias e tragédias. O Teatro Piccolo, construido depois de 80 a. C., com capacidade para "somente" 1000 expectadores mostrava audições musicais e espetáculos de mimos. No grande Anfiteatro (80a.C.), com 12000 lugares e forma elíptica, os pompeianos podiam assistir aos jogos dos gladiadores.

A gente não viu passar o tempo com o guia!

Mas é no requinte das casas privadas dos nobres abastados que vemos o amor dos pompeianos pela vida através dos afrescos com cores brilhantes que mostram a arquitetura, os jardins e a mitologia. Foi o vermelho destes afrescos que deu o nome à cor "vermelho pompeiano"!

Explicações preciosas no interior de uma casa pompeiana

Afresco erótico em Pompei, foto de Michael 27

O pessoal se divertindo com as explicações da guia nos antigos bordéis da cidade ;)

E por sorte, as nossas guias são excelentes fotógrafos! 
Aqui o momento da inteira família Azevedo no Forum, imortalizado!

A economia de Pompéia foi comprometida e Roma teve que começar a importar vinho e outros produtos da Gália, fato observado na grande quantidade de ânforas de tipo gálico encontradas na capital.

O que ver em Pompei:

- Casa dei Vetii, afrescos;
- Villa dos Mistérios, o maior afresco do mundo antigo, com 3x17metros!
- Casa do Fauno Dançante, escultura em bronze;
- Casa do Menandro, vasos e objetos em prata;
- Casa da Grande e Pequena Fontana, mosaicos no piso;
- Casa do Poeta Trágico (famoso mosaico com o cachorro "Cave Canem");
- Anfiteatro, construido depois da fundação da colônia romana, em 80 a.C., com capacidade para 20.000 espectadores;
- Basílica, edíficio de função pública, gigantesca construção do II séc a.C.;
- Forum Civil, com seus templos;
- Casa dos Cupidos Dourados, ricamente decorada com os famosos cupidos em folhas de ouro; esta casa pertenceu à familia da segunda mulher do Imperador Nero;
- Termas "Stabiane", as mais antigas de Pompéia, construidas no II séc a.C.;
- Zona dos Teatros e do Forum Triangular, com o Templo de Isis construido depois do terremoto de 62 d.C.;
- Casa do Criptopórtico, luxuoso magazino com importantes pinturas onde se vê o mito grego fundir-se com o mito da fundação de Roma;
- Casa de Loreius Tiburtinus, elegante casa nobre com piscina de 50 metros, supostamente utilizada em rituais do culto à Isis;
- Casa e Termas de Julia Feliz, casa de nobres.

Muitas preciosidades dos escavos de Pompéia foram levadas ao Museu Arqueológico de Nápoli, digno de uma visita antes de voltar à Roma!

Mais um afresco em quarto de residencia em Pompei, foto de Michael 27

A entrada aos escavos é através da Porta Marina ou da Piazza Anfiteatro.

Esta visita pode ser realizada com a excursão à Ercolano na sequência, cujo percurso aproximativo é: Termas, o Colégio dos Augustais, as mais belas residências particulares com
mosaicos em mármore e pasta de vidro, afrescos e móveis, o porto da cidade antiga, e o túnel escavado
dentro dos materiais lávicos que cobriam a cidade.

Se preferirem fazer Pompei e Vesúvio (com uma caminhada a pé à boca do vulcão do último quilômetro), também é possível.

Horários:
- de 1° de Novembro a 31 Março: todos os dias das 8.30 às 17.00 (última entrada às 15.30)
- de 1° de Abril ao 31 Outubro: todos os dias das 8.30 às 19.30 (última entrada às 18.00).
A área arqueológica fecha nos seguintes feriados: 1° de janeiro, il 1° de maio e 25 de dezembro.
Preço da entrada: € 11,00 inteiro
Bilhete reduzido: € 5,50 para os cidadãos EU de idade entre 18 e 25 anos e para os professores de escolas públicas

2 comentários:

  1. Adoramos o passeio a Pompeia!

    A guia Adelaide foi ótima, com seu conhecimento histórico e simpatia conseguiu manter a atenção de todo o grupo - inclusive das crianças. Foi emocionante estar em uma cidade de dois mil anos, conhecer e ver como viviam as pessoas na época. Passeio maravilhoso e muito bem conduzido. Obrigada de toda família!

    Ana

    ResponderExcluir
  2. Visitar Pompeia é uma experiência indescritível. Conhecer a cultura dos habitantes, a história de Pompeia e as técnicas de preservação dos restos humanos é essencial para quem se interessa um pouco pela cultura do povo latino. É um passeio que deve ser incluído no roteiro de quem vai à Itália, mas é imprescindível a presença de um guia, nada teria valor se não fosse pelo conhecimento e pela companhia de um guia, nesse caso, eu indico os guias oferecidos pela Patrícia que foram fundamentais para o sucesso de minha viagem.

    Eu particularmente gostei de todos os guias oferecidos e amei poder conhecer Roma e Pompeia, espero voltar com meus filhos e netos.
    Bjs
    Fátima

    ResponderExcluir