quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Palácio Altemps, Museu de Roma

Em mais um museo que não nasceu para ser museu, mas era a residência renascentista de um cardeal tirolês, Marco Sitio von Hohenems, temos de novo a prova que Roma é uma das cidades que nunca para de nos surpreender.



Palácio Altemps, Museu de Roma com guia de turismo

O palácio foi construído entre os anos de 1477-1480 por Girólamo Riario, sobrinho do famoso Papa Sisto IV (famoso por ter construído a Capela Sistina). Em 1568 o palácio foi comprado pelo cardeal von Hohenms, que teve seu nome traduzido em "Altemps" em italiano. Aqui temos o dedinho de um outro famoso arquiteto de Roma no re-styling do palácio, Martinho Longhi (Igreja de São Bartolomeu na Ilha Tiberina, entre outras coisas).


Palácio Altemps, Museu de Roma, interior com mega busto romano

O próprio palácio é uma construção maravilhosa, com afrescos (e às vezes ouro!) no seu interior e nas paredes da loggia do pátio central, uma arquitetura elegantíssima que nos transporta no tempo e nos faz entender mais uma vez que o nosso imaginário de riqueza tem a sua origem aqui, na riqueza de Roma.

Palácio Altemps, Museu de Roma, Loggia Renascentista com afrescos

No interior deste palácio tem também uma igreja barroca dedicada ao papa Santo Aniceto com a sua sepultura (eventual mártire do II séc. d.C.). Normalmente a direção do museu coloca cantos gregorianos, tornando a estadia dentro deste ambiente ainda mais sugestiva.

Palácio Altemps, Museu de Roma, pátio, com guia em portugues

Só o fato de passear por estas salas nos sentimos iluminados por estarmos rodeados por tanta beleza; o fato de alimentar a nossa alma nos causa um bem-estar incrível!

Palácio Altemps, Museu de Roma sala com afrescos do século XVI

O cardeal Altemps colecionava arte antiga, paixão mantida por seu sobrinho Giovanni Angelo Altemps, cujas peças foram distribuídas por vários museus de Roma, mas aproximadamente cem esculturas ainda encontram-se aqui.


O que vemos neste palácio-museu hoje são coleções menores de famílias nobres (Altemps, Drago e Mattei) formadas entre os séculos XVI e XVIII e peças do acervo das Termas de Diocleciano (para mim, o Museu mais difícil e um dos mais preciosos de Roma, post logo mais).
Enorme e interessantíssima a seção egípcia, com uma infinidade de pequenos objetos e pequenas ânforas em vidro mas também é de excelente qualidade a coleção de esculturas greco-romanas.

Palácio Altemps, Museu de Roma Sarcófago Ludovisi

Entre as peças de maior destaque, temos o Sarcófago Ludovisi (250-260 d.C.), que representa a luta entre romanos e bárbaros, uma obra de arte de excelente qualidade e estado de conservação. Digno de nota é a  execução das dos retratos das fraccões que lutam, quase sem espaço para se locomoverem, tantas são as representações de corpos humanos, escudos e cavalos. A execução do relevo é extremamente profunda (típico para aquele período) e, consequentemente, sofre muito a ação de luz e sombra. Incrível a representação do defunto que aparece no centro, triunfante e sereno enquanto puxa o seu cavalo "indomável". Do ponto de vista estilístico, é uma grande diferença o que vemos aqui em relação aos sarcófagos gregos (inspiração dos romanos), com seus relevos bidimensionais.

Palácio Altemps, Museu de Roma, Trono Ludovisi

Interessante também o Trono Ludovisi, que os estudiosos acreditam ser um trabalho de uma oficina da cidade antiga de Locri Epizefiri (a Calábria de hoje) do V séc. a.C., e que fazia parte de uma bacia ritual ou de um altar. A cena representata seria a Afrodite que nasce da espuma do mar ou Perséfone que retorna à terra do reino de Hades, ajudada por duas criadas.

Palácio Altemps, Museu de Roma Acrolito Ludovisi

Temos ainda uma imensa cabeça de Hera, o famoso Acrólito Ludovisi, também do V séc. a.C. (Acrólito se refere a cabeça, mãos e pés em mármore de uma estátua colossal; neste caso muito provavelmente a peça também vem de Locri Epizefiri e também seria uma Afrodite ou Perséfone), Mercúrio, e peças interessantíssimas que vêm do Campo Marzio (zona assim denominada na antiguidade que é hoje para nós o centro histórico), mais precisamente dos templos dedicados a Ísis e Serápis.

Palácio Altemps, Museu de Roma Afrodite Cnidos em marmore de carrara e alabastro florido

Temos uma Afrodite romana do II séc. d.C., provavelmente inspirada na famosa Afrodite de Cnidos do escultor Praxíteles (IV séc.a.C.), em mármore de Carrara e vestida com alabastro florido; sim, uma das vantagens da sua viagem à Roma é que vai conhecer um monte de tipos de mármores e seu olho vai ficar cada vez mais afiado para reconhecê-los.

Capela do Palácio Altemps, Museu de Roma com guia em portugues

Este rico espaço arquitetônico representa Roma tão bem com toda a classe de um palácio da nobreza renascentista e católica e que contém preciosidades da cultura greco-romana. Não passe batido por aqui!

Endereço do Palácio Altemps:
Piazza di Sant'Apollinare, 46 - perto da Piazza Navona

Horário de funcionamento:
Abertode terça a domingo, das 09h às 19:45h - excessões:  il primeiro de Janeiro e 25 de Dezembro.

Tickets Palácio Altemps:
Inteiro € 7 - Meia € 3.50

Bibliografia
Argan, G. C., Storia dell'Arte Italiana, Milano, Ed. Sansoni, 1988
Gombrich, E.H., Die Geschichte der Kunst, Frankfurt, Fischer Verlag, 2009 (1950)
Guida Rossa Touring
Enciclopédia Treccani on line: http://www.treccani.it/
Site Locri Antiga http://www.locriantica.it/reperti/ludovisi.htm

Museus em Roma:

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Museu do Palatino de Roma

O "Antiquario do Palatino", mais conhecido como o Museu do Palatino, é um museu localizado no alto da colina mais importante de Roma, o Palatino, no interior da área arqueológica à qual você tem direito de entrar pelo ticket de €14 (informações sobre compra de tickets estão aqui: http://guiaderoma.blogspot.de/2010/02/roma-antiga-iii.html).

Alto do palatino, entre a Domus Flavia e a Domus Augustana

As peças que este pequeno mas precioso museu contém foram encontradas aqui mesmo, no Palatino e, por razões de conservação foram retiradas dos seus lugares originais onde foram encontradas, e colocadas num lugar mais seguro que é este museu - nos anos '30 do século XX.

Urnas funerárias do periodo arcaico

Maquete colina Palatino idade arcaica

A maior parte dos visitantes escolhe o passeio básico e raramente chega até aqui, portanto, toda a multidão do Coliseu e Foro não são vistas aqui em cima, o que faz com que a visita a este museu e ao Palatino seja muito agradável, além de arrematar muitos fatos contados durante a visita ao Coliseu; é também um ótimo modo para introduzir o Foro Romano, dado que em primeiro lugar tinha o Palatino; o Foro só foi pavimentado no ano de 509 a.C., isto é, muito tempo depois do que é considerada a "fundação mítica" da cidade, no ano de 753 a.C..

decoração parietal do periodo imperial


Vestido escultura deusa pagã com fivela de capricornio

O museu do Palatino tem dois andares: os subterrâneos contém peças da fundação da cidade ao período republicano e o primeiro andar, decorações, peças arquitetônicas, esculturas e sala com amostras de mármores (impressionantes!) do período imperial.

Peças de opus sectile encontradas no palatino

Esculturas de sacerdotisas vestais


O andar inferior tem várias cerâmicas do período arcaico (VIII séc. a.C), reconstrução em maquete da colina no que deve ter sido durante a fundação da cidade - é muito interessante ver o que era e o que é hoje, mais de 2.500 anos depois!
 
Afrescos do periodo imperial no Palatino

O andar superior tem afrescos explêndidos da famosa Domus Transitoria de Nero, esculturas de deuses pagãos, uma coleção de retratos de imperadores e suas esposas, peças arquitetônicas de templos que ajudam a nossa imaginação a funcionar quando estivermos fazendo o passeio no alto da colina e passarmos pelos grandiosos paredões das antigas Domus Augustana e Flavia, além de podermos apreciar uma vista linda a 360° sobre a cidade de Roma.

Os mármores antigos encontrados no Palatino

Se você tiver interesse por arqueologia e tiver entendido que em Roma tem realmente muita coisa para ver, aproveite para fazer uma excursão da "Roma Antiga Completa", com o Palatino incluído.


Para saber mais sobre o Palatino, leia este post aqui O que é este tal de Palatino!

Para uma visita particular, com guia exclusiva para voce e sua família, por favor escreva um email para a gente aqui: http://www.guiabrasileiraemroma.com.br/#!contato/c1lmm

Museus em Roma:

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Museus Capitolinos, os museus mais antigos do mundo

post dedicado à família da Eliane e ao querido Roberto Salomão,
que vem à Roma ver o que é Roma 
Turismo em roma com guia em portugues
Por mera curiosidade vale à pena dizer duas palavrinhas sobre a origem da palavra "capitólio", isto é, de onde deriva o nome destes museus. Hoje falamos no "Capitólio dos Estados Unidos" (Washington D.C.), no "Capitólio de Havana" (Cuba), essa palavra tão ouvida e que tem uma conotação política, de poder legislativo ou executivo de um país tem uma origem etrusca ou sabina, e refere-se a um guerreiro, herói ou rei legendário etrusco de nome Olus ou Aulo Vibenna, que teria vivido no VI século a.C. e tido a sua sepultura nesta colina de Roma. Em latim, o "caput oli", isto é, a "cabeça de Olus" deu origem e o nome do que chamamos hoje em português de colina do Capitólio.

Entrada dos museus capitolinos, com guia em portugues


Imagina se tem condições de imaginar esta colina no VII século a.C.. Claro que não! Mas vendo esta possível reconstrução do que foi a colina, a gente toma um choque e depois tenta sobrepô-la ao que conhecemos hoje:

Desenho explicativo colina Capitolino, Roma
Fonte: Ministero dei Beni e delle Attività Culturali e del Turismo

Entre outras coisas, temos aqui o Altar da Pátria, a prefeitura de Roma (que, para mim, é a prefeitura mais bonita da Europa), a maravilhosa igreja de Santa Maria in Aracoeli e os Museus Capitolinos, que é o tema de hoje. Os Museus são compostos principalmente por dois grandes palácios,o Palácio dos Conservadores e o Palácio Novo, mas também pelo Palácio Clementino-Caffarelli, Tabularium (que vemos do lado externo durante a visita ao Foro Romano) pela Central de Montemartini ("filial" que fica numa zona que se chama Ostiense e que falaremos num próximo post).

Excursão com guia em portugues aos Museus Capitolinos para ver a verdadeira loba de Roma

A fundação do museu é considerada o ato de doação do Papa Sisto IV, em 1471, de algumas esculturas em bronze que estavam nos palácios lateranenses ao povo de Roma, e que foram colocadas no Palácio dos Conservadores. Na metade do século XVI, Papa Pio V quis se livrar de algumas esculturas com temas pagãos e também colocou algumas esculturas neste palácio.

Papa Paolo III solicitou ao Michelangelo o "lifting" dos palácios medievais da praça, que é como os vemos hoje (mas que o próprio Michelangelo não viu pronto!): 

Comparacao entre o capitolio com fachada do Michelangelo e os antigos edificios medievais

O ano de abertura ao público das salas com as esculturas aconteceu sob o papado de Clemêncio XII, em 1734.

Escultura antiga de leão que ataca cavalo

Afinal, o que tem de interessante nestes museus, com esta introdução que não acaba mais, Patricia? Pérolas da antiguidade dispostas em salas luxuosamente decoradas, meu amigo!

Excursão em portugues aos museus capitolinos com guia de turismo

 Para iniciar, a estátua equestre de Marco Aurélio que você vê tão bonita no meio da praça é uma cópia que somente a divina mão de obra italiana poderia ter realizado, para proteger o original, que está... lá embaixo, do Palácio dos Conservadores!

Diana de Êfeso, escultura em mármores

Como no caso do Antiquário do Palatino, temos peças do Foro Romano, como a famosa cabeça e mãos do imperador Constantino, encontradas na basílica de Constantino ou Maxêncio.

Medusa de bernini

A famosa loba em bronze, símbolo da cidade de Roma e que fica na entrada da prefeitura, onde todo mundo tira uma foto, também tem seu original no interior deste museu!

Garoto com espinho no pé, bronze

A espetacular "Medusa" de Bernini, cuja atribuição ainda é discutida por alguns históricos da arte da série "coisas fáceis para fazer com o mármore"!
O famoso cavalo em bronze dal vicolo delle Palme, escultura do V-VI século a.C., atribuido a Fídias ou ao seu mestre, encontrado em Trastevere, na mesma rua em que foi encontrado o nosso Apoxyomenos dos Museus Vaticanos. Um unicum no seu gênero, eventualmente a mais antiga estátua equestre de um cavalo durante uma parada que chegou até nós.
Na Pinacoteca temos ainda uma das tantas versões de um São João Batista, do Caravaggio; Tiziano e Rubens. No Palácio Caffarelli-Clementino temos a coleção Santarelli, famosa por abranger peças do antigo Egito, da cultura greco-romana e  pelas incisões em pedra tipo camafeus

FUndações do templo de Jupiter


Sem dúvida é uma enorme emoção descer ao andar inferior e ver as fundações do antigo templo de Júpiter, com maquete em plexiglass e tudo, que dá todo o sentido à essa excursão por nos colocar em contato direto com a história milenar da colina do Capitólio, no coração da Europa.

Endereço:
Musei Capitolini
Piazza del Campidoglio 1
Horário:
Todos os dias,  9.30h - 19.30h
Fecho mais cedos: 24 e 31 de Dezembro das 9.30h -14.00h

Como em quase todos os museus, a bilheteria encerra as vendas uma hora antes do fecho.

Particularidade: Cafeteria e restaurante não excelente com vista linda sobre a cidade de Roma.

Museus em Roma:

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O Juízo Final do Michelangelo

"Aleluia!
A salvação, a glória e o poder
pertencem ao nosso Deus, pois verdadeiros e justos
são os seus juízos.
Apocalipse 19:1-3

Já que "tocamos a matéria incandescente" da Pietà do Michelangelo, após tantos anos, chegou a hora de escrever algumas linhas sobre o Juízo Final da Capela Sistina, trabalho realizado em um segundo momento em relação ao teto, mais uma grande obraprima deste gênio que foi Michelangelo Buonarroti

Afresco Juízo Final, Michelangelo, Capela Sistina, Roma

Quando o papa da casa Medici, Clemêncio VII, encarregou Michelangelo de apagar os afrescos do altar para pintar o Juízo Final, estávamos no ano de 1534 e tinham passado 22 anos da finalização do teto da Capela Sistina. Michelangelo era uma estrela do Renascimento, para não dizer a estrela mais brilhante do Renascimento, reconhecido e aclamado como grande artista.  
Roma tinha acabado de sobreviver ao grande saque de 1527, à uma epidemia de peste e Lutero estava  tendo muito sucesso com as suas teses no que chamamos hoje de "Alemanha", até tinha utilizado a nova tecnologia chamada "prensa", inventada "por um tal de" Gutenberg para imprimir a sua própria bíblia.
Para completar este momento extremamente difícil, Clemêncio VII morreu sem ver nem um desenho na parede deste trabalho que se transformaria em mais uma das obras de arte mais conhecidas e admiradas no planeta.

Ainda bem que papa Paolo III deu continuidade ao projeto... que Michelangelo demorou sete anos para acabar!
Durante a sua viagem pela Itália é interessante ver alguns "Juízos Finais" e colocá-lo antes ou depois do Michelangelo.

O que vemos nesta parede com muito azul de lapis lázuli não tem nada a ver com o que tinha sido até aquele momento histórico uma decoração de parede de altar!

 

A figura central e dominante de um "Cristo-Apolo" com seu braço direito elevado movimenta circularmente e em sentido horário uma cena com mais de duzentos personagens nas mais diferentes posições e perspectivas. Temos entre eles anjos, "eleitos" e condenados, santos mártires da Igreja, e a Virgem (quase amedrontada), originando um efeito provavelmente inspirado pela leitura de um expert em "Divina Comédia".



Ao redor do Cristo, os mártires, São Pedro, Santa Catarina, São Lourenço, São Bartolomeu (autorretrato de Michelangelo na pele que ele segura com a mão esquerda),

Como vemos nas flechas da figura em preto e branco, à esquerda temos um movimento ascendente de figuras "eleitas", salvas, que atingirão o reino dos céus. À direita temos um movimentos descendente, das chamadas figuras "danadas", condenadas, que irão ao inferno - clara a alusão ao barqueiro Caronte da mitologia grega, em baixo à direita, no seu barco, que leva as almas ao reino de Hades.

Capela Sistina, Juízo Final, guias de turismo em português

Sim, este trabalho foi muito criticado por muitas pessoas, que viam nestas figuras nuas que representavam a Igreja um verdadeiro escândalo. E assim tal Biagio da Cesena, mestre de cerimônias do papa, foi colocado no Inferno com orelhas de burro e uma serpente que abocanha o seu sexo. Melhor não mexer com o Michelangelo!

Mais ou menos é isso... mas se quiser saber tudinho mesmo, vale à pena pegar um tour com a gente para poder curtir essa obraprima sob todos os seus aspectos!
Nosso contato é patcarmobaltazar arroba gmail. com, mas se você inserir os dados da sua viagem nesta página http://www.guiabrasileiraemroma.com.br/#!contato/c1lmm, facilita muito para realizar o orçamento.

Imagens: Wikimedia

Bibliografia:
Argan, G. C., Storia dell'Arte Italiana, Milano, Ed. Sansoni, 1988
Von Brauchitsch, B., Michelangelo, Berlin, Suhrkamp, 2009
Acidini Luchinat C., Michelangelo Pittore, 2007
Enciclopédia Treccani On line: http://www.treccani.it/ 
Il cammino di Dante®: http://www.camminodante.com

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Casa Internazionale delle Donne

No coração de Trastevere existe uma grande estrutura dentro de um ex-convento, que se chama Casa Internacional das Mulheres, em italiano Casa Internazionale delle Donne.

Aqui convivem dezenas de associações culturais e outras que prestam serviços à mulheres; do e para o mundo feminino.

Depois de muitas manifestações nos anos '70, várias mulheres ocuparam o famoso complexo arquitetônico do "Bom Pastor" para sediar as suas atividades. Muitas associações fazem política ou têm como objetivo de sua associação um viés político, como as históricas, a associação mulheres e ciência, um grande arquivo com a história das mulheres e seus movimentos feministas que se chama "Arquivia", infelizmente o centro anti-violência (muito ativo),  uma revista mensal, uma associação de psicólogos entre tantos outras.

 Pátio da Casa Internazionale

Os poderosos muros do antigo convento, hoje Casa Internazionale delle Donne

Durante os preparativos anteriores ao ano 2000, a prefeitura de Roma liberou verbas para a construção de uma pequena estalagem, uma série de quartos individuais e em grupo, para receber turistas para o Jubileu do ano 2000. Hoje este pequeno albergo ainda existe e recebe exclusivamente mulheres.

A nossa associação existe aqui dentro com o nome "Esthia" e nos ocupamos de cultura, oficialmente desde 2007, informalmente desde 2002.
Realizamos exposições de jovens artistas e encontros que tem como tema principal a Arte Contemporânea feita por mulheres. No nosso site voce pode ver algumas fotos com algumas exposições, no endereço www.esthia.net.

Lugar para exposições de artistas mulheres
Vernissage na Associação Cultural Esthia, outono 2007

Exposição de Giulia Cantisani
Aqui a expo de Giulia Cantisani: cerâmica e 
desenhos com grafiti em grande formato - Abril de 2014

À parte tudo, do ponto de vista arquitetônico é um oásis de verde e paz na frenética Roma, numa das ruas mais antigas ligadas à peregrinagem da sepultura do apóstolo Pedro - toda em versão feminina.



Almoço no restaurante Luna e L'altra


A Casa Internacional das Mulheres fica na Via della Lungara 19 e de 2a à 6a oferece um almoço tipo por quilo com qualidade e preços razoáveis.  É aconselhável para quem está em hotel em Trastevere ou está retornando do Vaticano (à Trastevere!).

Casa Internazionale delle Donne
Via della Lungara, 19
http://www.casainternazionaledelledonne.org/
Trastevere

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Santa Maria In Aracoeli

Não é um fenômeno comum que uma igreja tenha sido construida em um lugar habitado e construído pelo Homem há  quase três mil anos. Estamos falando de mais uma pérola de Roma, a Igreja de Santa Maria in Aracoeli.

Igreja de Santa Maria In Aracoeli, Roma


Localizada na diagonal da subida principal da colina Capitólio, atrás do "faraônico" Altar da Pátria, essa igreja pode passar muitas vezes despercebida ao viajante que vem pela primeira vez à Roma, sobrecarregado com quantidade de monumentos, museus e obras de arte da colina Capitólio.

À parte a vista, la do alto, que é de tirar o fôlego...

Santa Maria In Aracoeli, vista das cúpolas de Roma

como faço sempre, vou dar uma pincelada no que pode ser visto nesta maravilhosa e importante igreja e sublinho o fato que este blog de jeito nenhum substitui a visita com uma guia profissional que desvende Roma com você.

Nave central, Santa Maria In Aracoeli

Esta igreja foi construída sobre um antigo templo romano dedicado à Juno Moneta ("Juno, a avisadora", do latim "mŏnĕo", avisar), onde os romanos cunhavam as moedas - talvez já aqui seja explicada a origem da palavra moneta, moeda em português.

Pavimentos cosmatesco, Santa Maria In Aracoeli

A igreja é mencionada em documentos antigos do IX século, mas há quem acredite que ela foi fundada pelo papa Gregório Magno. O que vemos hoje é a arquitetura de uma igreja com três naves e quase intacta, do século XIII!

O teto, típico o estilo do século XVI, comemora a batalha de Lepanto, vencida por Marco Antonio Colonna, com motivos navais; realização do Papa Gregório XIII da família Boncompagni, o mesmo que mandou afrescar a Galleria dos Mapas nos Museus Vaticanos.

Santa Maria In Aracoeli, passeios guiados

O pavimento e composto por enormes lastras de mármore e faixas com decoração cosmatesca.

Na capela da família Eufalini temos uma "Glória de São Bernardinho" do final do século XV, afresco de Pinturicchio.Espetacular, como sempre, as paisagens deste pintor, a delicadeza com a qual representa os anjos numa composição extremamente equilibrada e simétrica.

Opus sectile, capela de Santa Maria In Aracoeli


A capela das famílias Morelli e Mattei têm dois afrescos do "nosso" Pomarancio (século XVI), a "Crucificação de Jesus com a Virgem e Madalena" - pavimento cosmatesco.

Impressionante o pavimento em opus sectile da capela das famílias Mattei e Antici com varios brasões de família!
 
Santa Maria In Aracoeli, monumento Arnolfo de Cambio

Aqui temos a sorte de poder ver mais uma obra do grande maestro Arnolfo di Cambio: o monumento a Luca Savelli (1287)!

Santa Maria In Aracoeli, Afresco de Pietro Cavalllini

Vou encerrar com un pequeno afresco da Virgem de Pietro Cavallini, da tumba do Cardeal Mateus Acquasparta. Se consegui passar a ideia que esta igreja é um museu e que deve ser admirada, valeu a leitura! Obrigada!

Para reservar a sua super-guia, escreva-nos aqui: http://www.guiabrasileiraemroma.com.br/#!contato/c1lmm
Passeios em Roma com guia Museus Vaticanos, Capela Sistina